15 de mai de 2011

Coluna Do Pop: "21" (Adele)

Como eu já havia dito antes, essa coluna vai falar sobre qualquer tipo de música que não seja Rock ou Heavy Metal, e não só pop como se sugere pelo nome.

Hoje vamos falar de um fenômeno da música inglesa, Adele, que já entrou na primeira semana vendendo 208.000, e depois começou a quebrar recordes até se igualar com os Beatles, ultimamente ela conseguiu superar o single Born This Away das paradas.


Adele era apenas uma cantora descompromissada no disco "19", entretanto devido as boas composições daquele disco ela acabaria se destacando na mídia e crítica especializada.  No disco "21" temos uma cantora mais madura e ousada que desfila clássicos.

O disco abre com a clássica "Rolling In The Deep" que quando eu fui escutar estranhei demais o inicio, e meu lado pessimista apareceu, entretanto com o evoluir da canção eu pensei:  Que segurança!, Interpretação apaixonada, timbre bonito que na hora de cantar a parte "Rolling In The Deep" faz uma voz que me remeteu a Sharon Den Adel com sua voz angelical.  Essa música já é um clássico e uma das maiores do ano,  e me mostrou  um pop bem calcado nos elementos do Soul.

"Rumors Has It" começa bem pesada e logo dá espaço a interpretação refinada da poderosa voz de Adele, que é muito bem acompanhada pela banda de apoio, Exceto o refrão que é muito fraco.

Agora vem as duas primeiras baladas do disco: "Turning Tables" e a "Dont You Remember", a primeira é uma balada em que a voz da Adele é acompanhada por uma bela orquestração, me lembrando do Symphonic Metal que eu tanto adoro. a última mostra a potencia e leveza da voz da cantora sendo acompanhada por uma passagem acústica de violão que vai crescendo até o fim.

Técnica vocal da cantora

Adele tem uma voz que eu posso caracterizar como Mezzosoprano Popular devido aos altos alcance em faixas como "Rolling In The Deep" e "Dont You Remember" em que a cantora atinge notas dessa coloratura.  Ela na verdade é uma cantora bem versátil, e possui uma voz bem potente típica de cantora negra ou seja ela tem agudos e graves muito bons. A interpretação da Adele também é fantástica, as músicas parecem sair do fundo de sua alma, talvez isso ocorra por causa do registro de peito da cantora, entretanto é difícil afirmar isso,  pois o registro de peito exige uma audição bem aguçada para perceber.

Continuando a Resenha

Voltamos para o disco numa das melhores faixas do play, a clássica "Set Fire To The Rain"  que mostra mais uma vez a leveza e ao mesmo tempo a pegada R&B da cantora, no final da música ela atinge notas bem altas dignas de uma Soprano. Em "Take It All" temos mais uma balada e uma interpretação majestosa da Adele, na verdade ela é tão boa vocal que as vezes a resenha fica repetitiva, as duas ultimas citadas são acompanhadas de belas linhas de Teclado.

As passagens de Soul e Música orquestrada servem apenas para temperar, porque o destaque fica por conta do sublime vocal da Adele, mas as passagens se destacam em músicas como em "He Wont Go" e "One And Only". A primeira é uma mistura de Soul e passagens orquestradas que ficou bem interessante, e na última temos uma bela pegada mais intensa na voz da Adele tanto nos graves quanto nos agudos de Mezzosoprano em uma das faixas mais legais do Play.

Eu não podia deixar de destacar as lindíssimas "Take It All"  e "Someone Like You todas baladas muito bem feitas chegando a inclusive arrancar lágrimas deste que vos fala.  Principalmente a última que é uma despedida tanto do disco quanto do eu-lírico, eu pessoalmente não queria que o disco acabasse tão cedo, a balada é muito bonita e só vai melhorando. "Take It All" é muito bonita e é desnecessário falar que ela se sai perfeitamente nessa música, só os coros que não ficaram legal.

O Vocal da Adele varia de um timbre melódico que pode lembrar cantoras potentes de R&B, Janis Joplin e as vezes lembre também a vocal do Within Temptation,  o que permite que ela adapte muito bem sua voz a vários estilos, ela demonstra isso na faixa "Loversong" onde ela interpreta perfeitamente o The Cure.

Por hora esse é o melhor disco que eu ouvi no ano, e por acaso o próprio Within Temptation disputa o titulo de melhor disco no meu conceito, só falta eu escutar o disco deles inteiro. Se Adele permanecer do jeito que está futuramente irá roubar o lugar dessas "pseudo-cantoras Pop.

Nota: 9,5 *********1/2

Nenhum comentário:

Postar um comentário