23 de mai de 2011

Clássicos Do Metal: Painkiller (Judas Priest)

Antes desse disco a situação do Judas não estava nada boa, eles haviam lançado dois discos que foram rechaçados pelo publico, e o baterista Dave Holland foi substituído pelo batera do Racer X o Scott Travis, que seria peça de uma das maiores viradas do metal.

Para começar eu posso dizer que Painkiller é um dos melhores discos do Judas na minha opinião, rivalizando pau a pau com o British Steel.

O que eu gosto nesse cd são os vocais poderosos e agressivos do Halford, o incrível trabalho de guitarras do Glenn Tipton e KK Downing e a insana bateria do Scott Travis que é na minha opinião o melhor batera da historia do Judas.

O disco abre com a matadora faixa-titulo que se destaca pelo incrivel arranjo de bateria que até hoje é copiado em 9/10 solos de bateria, os vocais agudos e violentos do "Metal God" é um solo inesquecivel das guitarras gêmeas da banda.

"Hell Patrol" e "All Guns Blazing" seguram o peso da banda, apesar da primeira lembrar o estilo clássico da banda, ela é acompanhada de uma letra violentíssima da banda, é uma atuação impecável do "Metal God" que emprega seu estilo clássico de atuação. "All Guns Blazing" é uma faixa com uma veia bem Thrash tão pesada quanto a faixa-titulo, e o destaque aqui são os leads e solos da dupla Downing e Tipton é a bateria pesadíssima do Scott.

Leather Rebel mostra que não é só de agudos que vive  o "deus do metal", essa é uma faixa que remete mais ao Judas antigo. O peso volta na poderosa "Metal Meltdown" que inicia com um tapping monstruoso e segue com o Halford cantando bem agudo do jeito que eu adoro, e ainda de forma violenta.

O clima de peso diminui com a clássica "Night Crawler" e a balada "Touch Of Evil".  A primeira inicia com trovões e logo dá lugar aos riffs, a bateria e o vocal caracteristico do Rob, é uma das melhores faixas do disco na minha opinião.  Eu sei que "Touch Of Evil" não é a próxima mais ela combina com o clima soturno de "Nightcrawler, bom digamos que ela é a faixa que eu menos gosto do disco, mas ela mesmo assim é tremendona, entretanto destoa do resto do disco.

Rob Halford está no auge da forma nesse disco e sua voz se adapta a estilo mais lentos e agressivos, eu inclusive criei um tessitura vocal chamada "Metal God Style" que consiste na mistura de vocais graves e agudos harmônicos e violentos. em "Touch Of Evil" é possível ver o quanto a sua voz é variada e cheia de cor.

Voltamos ao peso do disco com a "Between The Hammer & The Anvil" que é uma das melhores faixas
do disco, e até hoje e tocada pela banda. One Shot At Glory fecha o disco com solos fenomenais das guitarras gêmeas originais e um refrão inesquecivel.

Não tenho mais nada a declarar esse é um dos melhores discos da história do metal, e você precisa escuta-lo.

2 comentários:

  1. Isso foi proposital? CD herege com moto na arte seguido por CD true com moto na arte? xD

    ResponderExcluir
  2. Na verdade não, mas eu não tinha reperado essa coincidência

    ResponderExcluir