18 de set de 2011

Evanescence (2011)

Depois de longos 5 anos de hiato, a banda ladeada pela cantora norte-americana Amy Lee volta a ativa com novos músicos (a exceção de Terry Balsamo que estava na banda no último disco), e grandes pretensões.

O novo disco do Evanescence é bem fiel ao que a banda fez no passado, o que é uma qualidade para aqueles que já gostavam da banda, mas por outro lado a banda não vai poder conseguir novos públicos com esse CD.

Particularmente aprecio essa postura do Evanescence, que de fato não precisa se entregar aos interesses do publico "Headbanger mente-fechada" que jamais deu importância a banda, e não a daria nem se ela mudasse para o Heavy tradicional ou para uma vertente mais melódica, ao passo que é bom ficar ao lado do velho fã nessa situação.

O Evanescence demonstra nesse disco algumas influências eletrônicas, mas que são inseridas elegantemente, o que não prejudica a audição e torna a música da banda mais rica em termos de melodia, a balada "Swimming Home" é um bom exemplo dessa fusão.

Sempre considerei o instrumental do Evanescence bem mediano  as vezes até banal. Mas nesse disco o Evanescence nos apresenta o seu melhor instrumental, não que isso seja lá algo que vai te impressionar, mas é bom ver que a banda se livrou daquele instrumental de araque que roçava o New Metal.

Agora vamos falar da Amy Lee que é basicamente a essência do Evanescence. Eu temia que com todo esse tempo fora dos palcos, a qualidade da Amy Lee caísse, mas a voz da Amy continua intacta nesse registro, ladeando as outras gravações sem problemas. A voz segue profunda graças ao registro de peito da cantora, o melisma (marca registrada da Amy Lee) é executado perfeitamente e como sempre é um dos pontos altos das músicas, e os agudos permanecem muito bons (claro que com uma certa profundidade grave, graças as técnicas que a cantora aplica).

Não sabe o que é melisma? Esse vídeo exemplifica muito bem o uso do melisma, principalmente o refrão.


Obs: Quando terminei o post descobri que a maldita VEVO bloqueou o vídeo para o nosso país, ao passo que só da para vê-lo no youtube, pelo canal da EMI.
Por outro lado temos o timbre da cantora que é pura questão de gosto pessoal, e acho até que ela reduziu os problemas aprendendo algumas técnicas vocais (porque senão seria muito pior), isso sem falar nos esforços que ela faz para melhorar o timbre. Particularmente gosto do timbre da Amy Lee.

A interpretação é de excelsa, o leque de cores escuras da sua voz é bem vasto, e proporciona diversos e ricos efeitos na voz da Amy Lee, que somados ao seu melisma, formam a base do vocal do Evanescence. Os "cavalos de batalha" desse disco são as músicas: "What You Want", "My Heart Is Broken", "The Other Side", "Lost In Paradise" e a já citada "Swimming Home".

Outras músicas boas, mas que demoram um pouco para chamar a atenção são: "Made Of Stone" (próximo clipe da banda), "The Change" e "Oceans", já as outras roçam em boas e medianas.
Eu não sei se é impressão minha, mas o disco parece ser mais pesado que os outros da banda, servindo até para dar umas moderadas bangeadas.

Um disco que será bem apreciado pelos fãs da banda, continuará odiado pelos haters do Evanescence (eu falo como se esse haters merecessem atenção), e mais uma vez elogio a postura da banda, que preferiu se manter fiel aos fãs, apenas enriquecendo seu som, ao invés de se descaracterizar por completo, buscando fãs que nunca conseguiria.

Nota: 8 ********

4 comentários:

  1. Muito interessante você não ser tão parcial, parabéns.
    Eu particulamente achei muito bom esse album e do contrario nao gostava de Evanscence anteriormente, assisti o show no rock in rio, agora ela canta como uma mulher o timbre dela amadureceu como um legitimo soprano lirico-dramatico os agudos estão bem fortes e as cores escuras e aveludadas!
    Realmente muito bom seus post adimiro as pessoas a não serem parciais.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Anônimo, quanto a Amy Lee sempre a achei muito boa vocalista. Quanto fala de Soprano lírico-dramatico se refere ao alcance né? porque a Amy não é uma cantora lírica, e sua voz é um pouco mais densa que uma soprano lírico-dramatico.

    ResponderExcluir
  3. Sim meu caro me refiro a isso mesmo!!
    Se ela estudar tenho a impressão que ajudaria muito ela se tornar uma cantora lírica tem varios videos de escalas dela no youtube.
    Cmo também ach queCristina Scabbia se tornaria, mas a marca registrada delas é usar a voz natural.. xD

    ResponderExcluir
  4. Pois é, o foco delas não é esse, e eu acho que a Amy nem escuta ópera. Mas tanto ela quanto a Cristina estão excelentes nesses novos discos.

    ResponderExcluir