28 de jan de 2013

Black Mass (2012)


Após um primeiro álbum bem experimental, o Just Like Vinyl mostra um álbum bem mais coeso que o primeiro.



Após o término do The Fall Of Troy, uma banda razoavelmente conhecida e bem difícil de rotular pela mistura incomum de rock progressivo, hardcore e uma pitada de rock alternativo que eles tinham (que na maioria das vezes funcionava), Thomas Erak , vocalista, guitarrista e líder da banda resolveu criar uma nova banda. Assim criou-se o Just Like Vinyl, que desde seu começo foi extremamente antecipado pelo relativo sucesso da banda anterior de Erak. Após um álbum homônimo bem experimental e odiado por fãs, a banda lançou neste ano o 2° álbum, 'Black Mass', que surpreendeu muitos, já que o hype inicial da banda tinha praticamente se esvaído com o primeiro álbum.


Neste álbum, a banda mostra um som coeso e que volta às raízes de Erak sem o foco na parte progressiva do The Fall Of Troy. O gênero deste álbum é tão difícil de identificar quanto os da antiga banda de Erak. 'Black Mass' mistura hard rock com um pouco de progressivo (bem de leve), heavy metal e hardcore. Ou seja: extremamente difícil de rotular, apesar de ser geralmente rotulado como: metal progressivo, o que eu discordo, pelo menos o que eu ouvi de metal progressivo não é muito parecido com o som de 'Black Mass'; rock progressivo, também discordo pelo mesmo motivo citado acima; ou algum gênero mais amplo como rock ou heavy metal.

O álbum tem bons momentos, apesar de ter algumas falhas. Como por exemplo com o tipo de vocal usado em 'Walk You Home', que teria sido bem melhor se ele não gritasse como uma criança birrenta no refrão da música (embora isso ser influência do convidado especial dessa música, ou talvez se acelerassem essa música isso pudesse ser resolvido ou minimizado). Já em 'Bitches Get Stitches' nota-se claramente a evolução no vocal de Erak e 'Hours And Whiskey Sours' lembra muito os tempos de The Fall Of Troy, mostrando qual teria sido a sonoridade da banda se ainda estivesse ativa.

Apesar deste álbum ter algumas falhas, ainda é um bom álbum e é uma ótima evolução do primeiro álbum da banda. Sua mistura incomum é interessante, e se bem desenvolvida em álbuns futuros, pode render bons frutos.

NOTA: 8

3 comentários:

  1. Pra mim foi ao contrário XD eu gostei pacas do primeiro e esse aí me decepcionou um pouco... Eu curto as coisas mais bizarras do Fall Of Troy e o Just Like Vynil usa muito pouco disso

    ResponderExcluir
  2. Eu também curto mais o The Fall of Troy que o Just Like Vinyl. A mistura deles de hardcore com progressivo e os vocais alternates do Erak no TFOT eram bem melhores. Mas esse 2° disco do Just Like Vinyl meio que retomou um pouco de onde o TFOT parou, apesar de ser um pouco diferente (o Just Like Vinyl parece ser mais cadenciado que o TFOT, mais pendendo pro lado alternativo. pelo menos foi o que eu achei) mas eu curti muito ele, principalmente Bitches Get Stitches e Walking Home.

    ResponderExcluir
  3. Eu sinto falta da coisas mais bizarras e agressivas que o TFOT fazia, pra mim o Just Like Vinyl deixou a agressividade de lado, e nesse segundo cd ela ficou ainda mais distante... Ora se eu quisesse um som "coeso" eu não ia nem saber quem é TFOT XD kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir