25 de jan de 2013

1001 Discos: Parsley, Sage, Rosemary And Thyme (1966)


Banda: Simon & Garfunkel
Selo: Columbia
Produção: Bob Johnston
Nacionalidade: EUA
Duração: 28:30


1. Scarborough Fair/Canticle
2. Patterns
3. Cloudy
4. Homeward Bound
5. The Big Bright Green Pleasure Machine
6. The 59th Street Bridge Song (Feelin' Groovy)
7. The Dangling Conversation
8. Flowers Never Bend with the Rainfall
9. A Simple Desultory Philippic (Or How I Was Robert McNamara'd into Submission)
10. For Emily, Whenever I May Find Her
11. A Poem on the Underground Wall
12. 7 O'Clock News/ Silent Night




O mundo estava prestes a desmoronar, mas ainda havia espaço para a beleza quando Paul Simon e Art Garfunkel gravaram seu primeiro grande álbum, Parsley, Sage, Rosemary And Thyme. De fato, é a tensão entre a sensação de desastre iminente e a insistência de Simon numa conexão emocional que torna este disco eterno, apesar dos numerosos versos e frases musicais que revelam o trabalho como típico dos anos 60 ("Feelin'Groovy").

Se o álbum anterior, Sounds of Silence, foi uma obra feita às pressas para atender ao desejo da gravadora de capitalizar o sucesso da faixa-título, Simon, desta vez, exigiu total controle, o que explica o trabalho brilhante e detalhista realizado pelo engenheiro de som Roy Halee. O apuro da produção aparece logo na faixa de abertura, "Scarborough Fair/Canticle", uma intricada obra-prima do pop, que rivaliza com qualquer uma das criações de Brian Wilson. Mas Simon não é compositor de um gênero só. A variedade do material que ele escreveu para Parsley, Sage, Rosemary And Thyme o revelou como um dos compositores mais talentosos de sua época  de "For Emily, Whenever I May Find Her", uma canção iluminada pela voz de Garfunkel, a "Homeward Bound", talvez a melhor música já escrita sobre a vida de um artista na estrada. O fastio literário de "The Dangling Conversation" é totalmente perfeito, enquanto o rock caustico de "A Simple Desultory Philippic" ainda atinge seus objetivos, mesmo que muitos de seus alvos já não inspirem tamanho desprezo.

A faixa final é uma interpretação doce de "Silent Night" que fala sobre um noticiário de TV tratando da morte de Lenny Bruce e da escalada da violência na guerra do Vietnã.

Músicas Selecionadas

1.


4.

10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário